Sobre mim

Me chamo Érika Gonsales, sou graduada pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), sendo bacharel em administração com ênfase em marketing, especialização em gestão de relacionamento com consumidor (CRM) e pós graduada pela mesma instituição, em gestão de negócios de marketing.

Realizei diversos cursos para aperfeiçoar ainda mais a minha paixão: mergulhar no universo de construção e reposicionamento de marcas, expandindo o potencial delas para criar consumidores apaixonados e desenvolver reais embaixadores.

Após 15 anos trabalhando em grandes empresas, nacionais e multinacionais, adquiri muito conhecimento e experiência que, nenhum curso ou formação me ofereceu. Com este universo tão rico de conteúdo e possibilidades, me vislumbrei com o mundo das conexões que uma marca consegue fazer para engajar sua audiência e rentabilizar o negócio.

Hoje atuo no processo de gestão de marca – pessoal e comercial – e suas interfaces, tornando-a relevante e atrativa para o seu consumidor e parceiros de negócio.

Sobre mim

Me chamo Érika Gonsales, sou graduada pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), sendo bacharel em administração com ênfase em marketing, especialização em gestão de relacionamento com consumidor (CRM) e pós graduada pela mesma instituição, em gestão de negócios de marketing.

Realizei diversos cursos para aperfeiçoar ainda mais a minha paixão: mergulhar no universo de construção e reposicionamento de marcas, expandindo o potencial delas para criar consumidores apaixonados e desenvolver reais embaixadores.

Após 15 anos trabalhando em grandes empresas, nacionais e multinacionais, adquiri muito conhecimento e experiência que, nenhum curso ou formação me ofereceu. Com este universo tão rico de conteúdo e possibilidades, me vislumbrei com o mundo das conexões que uma marca consegue fazer para engajar sua audiência e rentabilizar o negócio.

Hoje atuo no processo de gestão de marca – pessoal e comercial – e suas interfaces, tornando-a relevante e atrativa para o seu consumidor e parceiros de negócio.

MINHA JORNADA

Como tudo começou

A minha história com o marketing começou em 2004, quando tinha certeza do curso que começaria na faculdade. E logo no ano seguinte, já iniciei minha primeira experiência como consultora na empresa júnior da ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing), onde fiz minha graduação. Após o término de um projeto para um cliente do setor da construção civil, fui trabalhar na empresa da minha família (uma transportadora), iniciando o departamento de marketing e reposicionando a marca e toda a comunicação visual que, na época, já tinha 11 anos.

Desafio ‘Dos doces ao S’

Passando os estudos para o período noturno, fui trabalhar na Nestlé, na divisão mais importante da empresa naquela época (e que deve ser até hoje): Lácteos, culinários e cereais. Iniciei minha jornada no mundo das gigantes com Leite Moça, Creme de Leite Nestlé, Moça Fiesta, Mocinha, Moça Top (lançamento daquela época), Creme de Soja Sollys (também lançamento da época) e minha última experiência com a marca Molico (leites).  Os meus dias por lá eram realmente doces e cheios de desafios importantes, como vocês devem imaginar!

Após esse período, fui trabalhar na Sadia e o desafio passou a ser ainda maior, pois era responsável por embutidos cárneos e bacon a granel. Ou seja, aqueles produtos que você encontra em bandejas de supermercados, açougues e mercearias sem divulgação da marca, já que eles não possuem embalagem ao serem expostos! Imagina o desafio? Como dizer que seu produto possui qualidade superior, se a marca não pode ser bem explorada com o produto no ponto de venda? As ferramentas de comunicação e os desafios de gestão são outros. Depois agreguei produtos de uso doméstico, que tinham embalagens porcionadas em pequenas quantidades e, novamente, adaptação na gestão e na estratégia de comunicação que passou a ser conjunta.

Sonhos e Conquistas

Aprendi demais na Sadia e depois de uns anos recebi uma oportunidade para trabalhar na Unilever. Que sonho! Fui trabalhar na divisão de foods com AdeS, que na época ainda pertencia à empresa. Cresci ainda mais profissionalmente! Tinha muito mais contato com outros países, desafios enormes, muita cobrança, alta performance, mas isso nunca me assustou. Pelo contrário, era o que me motivava ainda mais. Cresci e fui liderar o mercado regional (América Latina) com a marca Maizena®.

Porém, queria trabalhar com cosméticos e beleza. Eis que a oportunidade apareceu e fui trabalhar com coloração para cabelos e descolorantes para o corpo com as marcas Biocolor, Biocolor Homem, Luminance e fluidGel – todas da antiga Hypermarcas. Assim que cheguei, meu primeiro desafio foi relançar e reposicionar Biocolor. Foi um trabalho sensacional! Logo depois, reposicionar Biocolor Homem e assim por diante. Após alguns anos, a empresa foi comprada pela multinacional Coty e passei a agregar mais marcas do guarda-chuva Wella. Além daquelas marcas que citei acima, agreguei Koleston, Soft Color e Blondor, deixando meus dias ainda mais belos, cheios de glamour e muitos desafios. Afinal, logo depois eu estava liderando o negócio de coloração em toda a América Latina.

Inspiração e Surpresa

No período que iniciei o trabalho na indústria de beleza, comecei meu relacionamento com influenciadores digitais e celebridades, aprendendo a cada dia, como trabalhar de maneira que faça sentido para o público e para a marca. Foi uma delícia trabalhar com nomes tão renomados e pessoas inspiradoras durante todos esses anos.

Até que em um momento, a empresa começou a valorizar e incentivar outros comportamentos e valores na liderança desse negócio, onde eu não me encaixava mais. Fui desligada da companhia.

Surpresa? Total! Mas a gente sempre sente quando algo não está mais conectando a nossa essência àquele lugar: seja ele qual for.

A Virada

Com toda a minha bagagem, rede de relacionamento, expertise e reputação, foi quase natural o surgimento do meu negócio. As coisas começaram a acontecer na mesma semana do meu desligamento e foi tomando forma dia após dia.

Recebi algumas propostas para voltar para o mundo coorporativo, mas percebi dentro de mim, que o meu coração estava batendo muito mais forte para seguir a minha vocação auxiliando empreendedores e pessoas a descobrirem, construírem ou reposicionarem as suas marcas.

Como digo, as pessoas não se conectam com marcas, mas sim com histórias. Qual é a sua?

MINHA JORNADA

Como tudo começou

A minha história com o marketing começou em 2004, quando tinha certeza do curso que começaria na faculdade. E logo no ano seguinte, já iniciei minha primeira experiência como consultora na empresa júnior da ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing), onde fiz minha graduação. Após o término de um projeto para um cliente do setor da construção civil, fui trabalhar na empresa da minha família (uma transportadora), iniciando o departamento de marketing e reposicionando a marca e toda a comunicação visual que, na época, já tinha 11 anos.

Desafio ‘Dos doces ao S’

Passando os estudos para o período noturno, fui trabalhar na Nestlé, na divisão mais importante da empresa naquela época (e que deve ser até hoje): Lácteos, culinários e cereais. Iniciei minha jornada no mundo das gigantes com Leite Moça, Creme de Leite Nestlé, Moça Fiesta, Mocinha, Moça Top (lançamento daquela época), Creme de Soja Sollys (também lançamento da época) e minha última experiência com a marca Molico (leites).  Os meus dias por lá eram realmente doces e cheios de desafios importantes, como vocês devem imaginar!

Após esse período, fui trabalhar na Sadia e o desafio passou a ser ainda maior, pois era responsável por embutidos cárneos e bacon a granel. Ou seja, aqueles produtos que você encontra em bandejas de supermercados, açougues e mercearias sem divulgação da marca, já que eles não possuem embalagem ao serem expostos! Imagina o desafio? Como dizer que seu produto possui qualidade superior, se a marca não pode ser bem explorada com o produto no ponto de venda? As ferramentas de comunicação e os desafios de gestão são outros. Depois agreguei produtos de uso doméstico, que tinham embalagens porcionadas em pequenas quantidades e, novamente, adaptação na gestão e na estratégia de comunicação que passou a ser conjunta.

Sonhos e Conquistas

Aprendi demais na Sadia e depois de uns anos recebi uma oportunidade para trabalhar na Unilever. Que sonho! Fui trabalhar na divisão de foods com AdeS, que na época ainda pertencia à empresa. Cresci ainda mais profissionalmente! Tinha muito mais contato com outros países, desafios enormes, muita cobrança, alta performance, mas isso nunca me assustou. Pelo contrário, era o que me motivava ainda mais. Cresci e fui liderar o mercado regional (América Latina) com a marca Maizena®.

Porém, queria trabalhar com cosméticos e beleza. Eis que a oportunidade apareceu e fui trabalhar com coloração para cabelos e descolorantes para o corpo com as marcas Biocolor, Biocolor Homem, Luminance e fluidGel – todas da antiga Hypermarcas. Assim que cheguei, meu primeiro desafio foi relançar e reposicionar Biocolor. Foi um trabalho sensacional! Logo depois, reposicionar Biocolor Homem e assim por diante. Após alguns anos, a empresa foi comprada pela multinacional Coty e passei a agregar mais marcas do guarda-chuva Wella. Além daquelas marcas que citei acima, agreguei Koleston, Soft Color e Blondor, deixando meus dias ainda mais belos, cheios de glamour e muitos desafios. Afinal, logo depois eu estava liderando o negócio de coloração em toda a América Latina.

Inspiração e Surpresa

No período que iniciei o trabalho na indústria de beleza, comecei meu relacionamento com influenciadores digitais e celebridades, aprendendo a cada dia, como trabalhar de maneira que faça sentido para o público e para a marca. Foi uma delícia trabalhar com nomes tão renomados e pessoas inspiradoras durante todos esses anos.

Até que em um momento, a empresa começou a valorizar e incentivar outros comportamentos e valores na liderança desse negócio, onde eu não me encaixava mais. Fui desligada da companhia.

Surpresa? Total! Mas a gente sempre sente quando algo não está mais conectando a nossa essência àquele lugar: seja ele qual for.

A Virada

Com toda a minha bagagem, rede de relacionamento, expertise e reputação, foi quase natural o surgimento do meu negócio. As coisas começaram a acontecer na mesma semana do meu desligamento e foi tomando forma dia após dia.

Recebi algumas propostas para voltar para o mundo coorporativo, mas percebi dentro de mim, que o meu coração estava batendo muito mais forte para seguir a minha vocação auxiliando empreendedores e pessoas a descobrirem, construírem ou reposicionarem as suas marcas.

Como digo, as pessoas não se conectam com marcas, mas sim com histórias. Qual é a sua?